Jornal do Commercio
foto Roberta SoaresUm novo olhar sobre o trânsito em Pernambuco
  • Tamanho do texto:
  • A-
  • A+

Obesos livres das apertadas catracas dos ônibus em PE

Publicado em 06/07/2012, Às 17:02

Pessoas obesas ganharam um reforço para não serem obrigadas a passar nas estreitas e apertadas catracas dos ônibus que circulam na Região Metropolitana do Recife e nos coletivos que operam as linhas intermunicipais. A Lei 14.720, sancionada nesta quinta-feira (4/7) pelo governador Eduardo Campos, liberou os gordinhos desse constrangimento.

A lei prevê que os passageiros obesos só precisam informar ao motorista que não querem passar pela catraca – cada vez mais apertadas, diga-se de passagem. Eles devem subir no coletivo, pagar a passagem ao cobrador e girar o bloqueio. As empresas de ônibus que se negarem a liberar os obesos poderão ser multadas.

A multa varia de R$ 1 mil a R$ 100 mil, atualizada anualmente pelo IPCA. A regra vale também para o embarque e desembarque em terminais de ônibus ou integrados com o metrô. Portaria de 2007, número 134, do Grande Recife Consórcio de Transporte já previa a mesma liberação, autorizando a permanência dos obesos na parte dianteira dos coletivos. Mas lei é lei. Tem mais peso do que portaria.

Share

Postado por Roberta Soares

enviar para um amigo

Comentários

Martha Maria

Bom para os gordinhos, mas os idosos e portadores de necessidades especiais, e seus acompanhantes ocuparão que espaço nos ônibus? Tem obeso que ocupa o espaço de umas três pessoas, em pé, e sentado, o espaço de duas. E antes da catraca são apenas dois bancos para duas pessoas, e dois para uma só pessoa, e ainda há a circulação de passageiros que ingressam no veículo. Porque não liberar para os gordinhos a porta do meio do veículo, situada bem próxima à catraca? Ou, quem sabe, aumentar o espaço, antes desta, no ônibus?
Velhinho já era, né, Exas.?

anderson

Andar de onibus é um verdadeiro INFERNO! A quantidade de idosos e deficientes é enorme para a quantidade de assentos. A confusão vai rolar…

Cesar W

Só espero que não venham com a história de lugar preferencial para gordos.
O idoso não pode rejuvenescer.
O Deficiente não pode se restabelecer.
A grávida não pode deixar a barriga.
Mas o gordo pode emagrecer. Fecha a boca pra passar na roleta como todo mundo. Oxe!

clebson sales

QUERO VER ONDE VAI DAR TANTA GENTE NA FRENTE DO COLETIVO,ONDE HA ODERESPEITO DOS PASSAGEIRO QUE OCUPAM AS CADEIRA DOS DEFICIENTES E IDOSO JA NÃO TEM ASSENTO.

Alberico Santos

Concordo com vc, e sugiro também uma cadeira mais espaçosa para este usuario.

Leonardo Silva

O governador deveria sansionar uma LEI proibindo as operadoras de comprarem ônibus com tamanho menores. A CRT e a Metropolitana de Camaragibe estão cheia desses ônibus “curtos” e o passageiro é quem sofre no aperto.

CRIS DA SILVA

Tens razão Marta, o governador não olha para deficientes fisicos e velhos, com certeza porque a senhora mãe do governador não vai ficar velha nunca, talvêz seja preservada pelo alcool.

Humberto Cavalcanti

E as crianças? (Ver mais adiante nestas notas de setembro de 2003 – vocês se lembram das propostas e das ações desenvolvidas naquele ano?… ).
O escancarado modelo de catracas é um acinte, é síntese emblemática de um desrespeito, um atentado contínuo que vem de prioridades e de interesses que são (digamos assim) … nem tão coletivos.
Esse ‘simples’ objeto (ou o que ele representa: humilha- ção do povo), esse ponto não tem sido tocado nem nas coberturas jornalísticas, nem nas divulgações oficiais em torno das ‘mudanças’ nos transportes coletivos (veja que já falava disto em setembro de 2003).
Essas armações de metal são modificações e prolongamen- tos das hastes originais das roletas . Elas foram implanta- das já faz tempo. Não vinham com esses aros que hoje chegam a alcançar a altura do queixo de uma pessoa de 1,71 m, por exemplo. Nem se estendiam pra baixo até quase tocar o piso do ônibus, rente ao chão. Aquelas catracas também não formavam um conjunto que em muitos ônibus quase envolve a pessoa, num semicírculo gradeado, um caminho estreito ( à semelhança de cercado – uma porteira?…) onde uma pessoa é en-curral-ada e detida num momento, para, num momento seguinte, ser conduzida ao meio do ‘salão’ (o corredor do ônibus), e continuando de pé, entre tantos outros, pois os assentos já estão ocupados com lotação além da capacidade indicada numa plaqueta interna do parabrisa).
Não, estas roletas também não se equiparam àquelas outras dos primeiros ônibus elétricos: Parecidas com um grande triângulo de pernas abertas e oblíquas que se limitavam a registrar a passagem, constituindo espaço suficiente para que um menino, ou mesmo um adulto (do tipo físico médio da gente) pudesse passar por elas de banda, sem desconforto, sem se espremer.
Mais dignamente espaçosas para que crianças dispensadas de pagar passagem, por idade e tamanho, não tivessem que se deitar e rastejar para atravessá-las.Crianças que aprendem desde cedo que o ‘natural’ da vida é a resigna- ção, o abaixamento e essa adaptação calada e vem e surge a força do hábito e da tradição. Passar pela catraca é um instante , no mínimo, de desconforto, que sentimos quando levamos uma bolsa a mais, um embrulho, uma sacola; ou se estamos vestidos com mais roupas, ou se o corpo não for muito franzino ( um homem de 1,71 que pese 75 kg., por exemplo, é capaz de entender na pele o que isso quer dizer).
Ah, essas catracas de hoje… não são como as de antigamente, não são modernas, apesar do tempo (que tempo nem sempre significa evolução e progresso).
E, no entanto, as catracas atuais e seus interesses não são atingidos: Pelo contrário, estão por aí, soltas, sozinhas, girando ainda mais, máquinas de moer e de contar gente, numa posição reforçada graças a um curioso continuísmo ( v. ano 2003 e o bode expiatório e propaganda enganosa que atacava as lotações, mas, de fato, abria ainda mais espaços pros automóveis – só não viu toda a imprensa e os “representantes do povo” e uma opinião pública deformada, publicada).
Continuismo que resolveu mexer antes com o que é se- cundário, o menor problema; mas não encontrou energias e fluidos para bulir com o que é o principal ( veja-se como se portou toda – TODA – a imprensa de Recife e os governos estadual e municipal no “projeto” de excluir as lotações, e de substituir por melhor sistema de lotações e de ônibus – pois sim!… ) .
Ou prefeito, em 2003, que se dizia levitar – aéreo… ou inocente -, neste ponto não meditou… tanto assim…
(Estas observações partem deste leitor que também faz uso do transporte público. Não partem por ouvir dizer, nem é daqueles e daquelas que discursam por conveniên- cias em determinadas épocas (de eleições).
– E sabe de uma coisa? Maçante é informar que estas são percepções que não vêm de um simpatizante ou eleitor do ‘outro lado’, nem de pessoa vinculada aos kombeiros).
Vida de gado nos ônibus do Recife.
Ontem e hoje.
Povo marcado.
………………………………….

simone

ao senhor CEZAR W VC EH UM IDIOTA VC ACHA Q EH FACIL FECHAR A BOCA? SE FOSSE FACIL NAO HAVERIA UM MONTE DE GORDINHOS POR AI SOFRENDO DESCRIMINAÇÃO VC EH UM TREMENDO DE UM IDIOTA QUE NAO SABE O QUE DIZ SEU RETARDADO. SOU MAGRA PESO 52 KILOS E 1 METRO E 68, MAIS EU ACHO UM DESRESPEITO ENORME COM AS PESSOAS GORDINHAS, SERÁ QUE ELAS SÃO ANIMAIS QUE NAUM PODEM ENTRAR E SAIRLIVRE DE UM ONIBUS? SEM TER QUE PASSAR POR CONSTRANGIMENTOS SINTO PENA QUANDO VEJO AS PESSOAS GORDINHAS SENDO MOTIVO DE SARRO PARA OS OUTROS ELES NAUM RIEM PRA VC E SIM “DE VC” E ISSO EH UMA DOENÇA PRA QUEM NAUM SABE QUE NEM ESSE IDIOTA DO CEZAR W, ELES PRECISAM SER TRATADOS COM CARINHOS PORQ JA PASSAM POR VARIOS TIPOS DE PRECONCEITO TIPO LOJAS, RESTAURANTES, CINEMAS E NAS RUAS MESMOS POR ONDE PASSAM , EH COMO SE FOSSEM ETS, OU TIVESSEM DUAS CABEÇAS , SABE QUE ISSO UM DIA ACABE, ESTOU FALANDO ISSO PORQ TENHU UMA AMIGA GORDINHA , EU ADORO ELA E SE FOR PRECISO ENTRO NA BRIGA E A DEFENDO COM UNHAS E DENTES , SEU IDIOTA ESPERO Q UM DIA VC OLHE EM REDOR E VEJA QUE NAUM SOMOS DE UM PAIS DE PESSOAS 100% PERFEITAS… FICA POR AQUI MEU DESABAFO E UMA PALAVRA PARA OS GORDINHOS, NAUM DESISTA DE VIVER , SE FOR PRA FAZER UMA CIRURGIA DO ESTOMAGO FAÇA, SE FOR PRA POR O BALÃO, COLOQUE E SE QUIZER SER ASSIM SEJA, E SEJA FELIZ VCS SÃO NOTA 10000000000000000000 BJS PRA VCSSSSSSSSSSSS…

marcos oliveira

Sr. Cezar W.

Você fez um comentário infeliz, realmente nota-se que pelo seu comentário que vc é uma pessoa ignorante.
Nem todos os obesos comem demais, muitos são obesos por motivo de saúde (tiróide, hormônios etc…), antes de fazer um comentário estude e procure informar-se sobre o assunto ok.
Quanto aos onibus deveriam trocar as catracas, pois esses modelos são totalmente ultrapassados.
Abraço

Comentar

Fotos do dia

Pátio do Terço, no bairro de São José, Centro do Recife, trocou o uso residencial pelo comércio
Foto: Hélia Scheppa/JC Imagem

> JC Imagem

Pátio do Terço, no bairro de São José, Centro do Recife, trocou o uso residencial pelo comércioO conjunto arquitetônico do Pátio do Terço, no Centro do Recife, é formado pela igreja e 71 imóveisDas 71 edificações do Pátio do Terço, no bairro de são José, Centro do Recife, só três são moradiaO Pátio do Terço, no Centro do Recife, é o palco da Noite dos Tambores Silenciosos, no CarnavalParte do casario do Pátio do Terço, no bairro de São José, Centro do Recife, preserva só a fachada

Coluna no Twitter

OFERTAS
OFERTAS
Facebook Twitter RSS Youtube
Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM